Mercado de São Francisco – Pier 39

Mercado de São Francisco


A baia de São Francisco, tendo a Ilha de Alcatraz como apresentadora e a ponte Golden Gate como painel de fundos, como abrigo atrai forasteiros e uma colônia de focas que aqui encontrou casa e proteção.


Junto às docas dos antigos embarcadouros, em “Fishermans Wharfs”, ao lado do Pier 39,41 e 43, encontramos os mercados mais famosos e interessantes de São Francisco. As centenárias instalações portuárias, remodeladas e restauradas, são hoje templo de consumo para milhares de visitantes. Rápida refeição inicia a peregrinação. Escolha o típico caranguejo do Pacífico; após rápida preparação, o caldo é servido numa forma de pão. Dependendo do tamanho do prato, dos ingredientes, o custo fica entre 5 a 10 dólares. O turista aqui é soberano.


Ao lado, na Jefferson Street, a padaria Boudin, fundada em 1849 por um francês, desenvolveu formula que faz sucesso até hoje. Panificação com forma de animais, o Sourdought — como é conhecida pelos locais — faz parte da tradição. A massa especial, leve, saborosa, exige pelo menos uma prova. Temos degustação gratuita. É só pedir. Pelo cais, navios históricos, submarinos, veleiros, estão atracados. Os lobos marinhos estão perto; pelo cheiro característico não podemos nos enganar. São a chamariz, o reclame do Píer 39: local de lojinhas e de atrações de todos os tipos: parques de diversões, pequenos restaurantes, especializados em frutos do mar, sorveterias e salas de exposição e degustação de vinhos.


Se preferir tratamento diferenciado, fugindo do fast-food, restaurantes, como o Kuloto’s, com vista para a baía de São Francisco, servem o tradicional halibut — um linguado gigante, lagostas, camarões, mexilhões e vieiras podem ser coadjuvantes.

Os vinhos de Sonoma e Napa Valley, para os experts e mesmo para os que querem apenas conhecer a alma da Califórnia, serão fieis acompanhantes. Acho que o Pinot Noir será o escolhido. Depois, para descansar, o tradicional passeio no “cable-car” típico de São Francisco, suas colinas despencam para a baia.

Felipe Daiello
Autor de “Palavras ao Vento”
Editora AGE

Compartilhe