Lendas das esmeraldas. Ostensórios

Lenda das esmeraldas. Ostensórios


Na chegada dos estranhos invasores à procura de riquezas do Eldorado, onde o ouro pavimentava as ruas, lendas ainda eram ouvidas, relatadas e transcritas para idioma usurpador.




Criados pelo deus Are, Fura e seu companheiro Tena viviam felizes, mas a chegada de estranho, – Zarbi -, traz nuvens escuras. Aos poucos, por trampas e carinhos Fura é seduzida por Zarbi. Tena desconfia, o comportamento de Fura muda; descoberta a traição , o enfurecido Tena joga o rival de um penhasco, onde ficará prisioneiro para sempre , cativo no rio. A seguir, sua raiva mata Fura. Os gritos e os gemidos de Fura são transformados em mariposas e suas lágrimas ao chegarem ao rio, onde o sangue de Zarbi circulava, transforma-se em esmeraldas. As pedras verdes serão agora a ligação entre os humanos e o deus criador de todos. Nas cerimônias religiosas estará presente. Os relatos dos indígenas falam em pedras gigantes, algumas com tamanho superior a de um ovo de avestruz.




Aos poucos, os espanhóis descobrem o valor da pedra, agora ela será usada não apenas para jóias, nos enfeites para as mulheres, mas nos ostensórios usados pela liturgia da Igreja Católica; presentes estarão as pedras verdes na reverência a outro Deus. No Museu da Moeda em Bogotá, aliás em cofre subterrâneo, encontramos dois exemplares fantásticos: La Lechuga e La Preciosa.




Com mais de 1.500 esmeraldas, centenas de diamantes, perolas, ametistas e rubis, peso superior a 5 quilos em ouro e prata, La Lechuga não é o maior ostensório do mundo. Em Toledo existe exemplar que ganha em tamanho e peso, mas não na arte da ourovesária e na pureza e tamanho das esmeraldas. Não se pode perder o encontro numa visita a Bogotá ou a Cartagena. Joalherias estão por todas as esquinas para compras mais acessíveis.



Não se pode perder o encontro numa visita a Bogotá ou a Cartagena. Joalherias estão por todas as esquinas para compras mais acessíveis. No entanto, ao adquirir o brilho esverdeado destinado à sua amada, tenha em mente as regras básicas para definir a relação custo-benefício da aquisição, evitando a compra de uma “pedra-mala”:a) peso em quilates b) intensidade do verde c) brilho da pedra d) grau das impurezas e) opacidade da pedra f) a pedra deve ser fria, caso contrário o plástico é o componente básico g) certificado de garantia h) sorte na compra e na escolha da futura dona.

Felipe Daiello
Autor de “Palavras ao Vento” e ‘A Viagem dos Bichos’
Editora AGE –

Patrocínios:

Compartilhe