Barcelona. A Rainha da Cataluña

Capital da Catalunha, povo orgulhoso da sua cultura, língua própria e tradições inconfundíveis, Barcelona, a segunda cidade da Espanha, mostra rápida e faceira a sua personalidade.

Não há como ficar indiferente. Centro financeiro e industrial, estaleiros importantes, aqui estão as maiores editoras espanholas. Cerca de 75% dos livros, muitos em catalão, são impressos em Barcelona.

O bairro gótico, com a Catedral de Santa Eulália é o ponto de partida. Museus ocupam prédios históricos, as muralhas das antigas fortificações surgem das escavações. Vestígios de como as legiões romanas conquistavam e ocupavam novas terras.

A Espanha, pela importância, forneceu dois imperadores para Roma.

A seguir, circule pela Rambla, avenida com um quilômetro de extensão. Avenida dos cafés, dos teatros, dos artistas de rua, das comidas: paellas são feitas nas calçadas.

Artistas do silêncio e imobilidade apresentam-se solos, em dupla ou em triplos. Deuses, monstros, dragões alados, bruxas e outros personagens mitológicos ou hollywoodianos, surgem com roupas e apliques que a imaginação não consegue alcançar. Discretos alguns, outros não tanto, solicitam nossa atenção e os nossos euros. As fotos compensam.

Passagem pelo mercado dos Bocaditos é aconselhável. Conheça as ofertas gastronômicas da Catalunha. Possibilidade de refeições rápidas, imperdíveis, a consequência.

Dependendo do tempo disponível, a área do antigo porto, recuperado para o evento das olimpíadas é a próxima atração.

Complexo turístico interessante, moderno, exige horas de caminhadas e de observação. A ocupação do espaço, a construção de prédios modernos, o aquário, as marinas, os hotéis de luxo, o teleférico até Montjuic, o parque marítimo, os passeios de barco são novidades.

Para os gaúchos, momento de reflexão; nossas instalações portuárias junto ao Guaíba devem seguir o exemplo. Nada de colocar mais barreiras e contradições ideológicas. Já desperdiçamos tempo demais, algo foi perdido para a atual geração, não podemos repetir erros históricos.

A genialidade catalã aparece nas artes, na pintura, na arquitetura. Museus em quantidade difícil de superar: Miró, Dali, Picasso.

Em Carrer Montcada, o museu das obras de Picasso em acervo e importância é o segundo no mundo.

Mas Barcelona não existe se não mencionarmos o gênio de Antonio Gaudi. Criador das formas livres, sua obra principal é vista na Igreja da Santa Família. Estilo próprio, inaugurada em 1882, ainda não foi concluída. Exige milhões de euros e mais vinte ou trinta anos de labuta.

Para o iniciante, para descobrir Barcelona, a melhor solução é subir num ônibus de turismo. Por 22 euros, dois circuitos estão disponíveis. Começando cedo, os dois trajetos são possíveis de efetuar no mesmo dia. A cidade desvendará, sem pudor, os seus segredos. No primeiro percurso anote os nomes e identifique as fotos: Monestir de Pedralbes, Palau Reial, Clube Barcelona de Futebol, Praça Catalunya, Casa Batlló, Parque Güell, Igreja Sagrada Família, La Pedrera, Passeo de Gracia.

Na linha vermelha a sequencia: Estació de Sants, Creu Coberta, Poble Espanyol, Anella Olímpica, Teleférico de Montjuic, Port Vell, Port Olímpia, Zoo, Pla de Palau, Barri Gotic, Praça Catalunya, Casa Batlló, La Pedrera, Diagonal Francesc Maciá.

Após o reconhecimento, escolha o local preferido, o da sua imaginação ou sonho, desça e comece a entender a alma de Barcelona. Vale a pena.

Patrocínios:

Compartilhe