Palm Springs. Lembranças de Marylin Monroe

Palm Springs. Lembranças de Marilyn Monroe

Oásis em pleno deserto, Palm Springs, paraíso construído pela mão humana e pelo planejamento da irrigação, é a surpresa aguardada.

O percurso, o mais longo, começou na gigantesca Los Angeles com seus viadutos colossais, depois pelas praias do Pacífico, na direção sul, rumo a fronteira do México, para a ensolarada San Diego.

Em Dana Point, oportunidade para observar as baleias corcundas, vindas do Alasca, sua jornada tem curso na direção da Baixa Califórnia, onde no México, no Mar de Cortez irão ter seus filhotes.

San Diego, uma das primeiras povoações hispânicas na Califórnia, local onde Frei Junipero Serra edificou a primeira das suas missões é hoje Base Naval da Armada Americana no Pacífico.

Cidade agradável, com praias famosas como La Jolla, onde o surfe é soberano, é centro cultural importante, com museus e zoológico com fama mundial, a permanência foi pequena pois o tempo era escasso. Lástima.

Nosso destino até Palm Springs escolheu roteiro de desertos. Depois do Cleveland National Park, por estradas pitorescas, por ranchos onde cavalos pastavam, por reservas de índios, por Julian, o deserto de Arizona Borrego – pedra pura – precisava ser ultrapassado.

O Lago “Salton Sea”, com depósitos alcalinos, com flamingos nas margens, nos levou até o Joshua Tree Park.

Através de canais de irrigação, as áreas desérticas foram transformadas: palmeiras, pistache, laranjais, vergéis, morangos, surgem no meio das areias. O verde se torna mais intenso, exuberante até. Alguns parreirais tomam presença e sinalizam o surgimento de novo centro vinícula.

No Joshua Tree National Park, mais ao norte, passando por Mecca, Indio e Thousand Palms, surge um tipo de cactos, que pela sua dimensão e formato foi denominado pelos Mormons que aqui passaram – em busca de local para desenvolver a sua fé – de a árvore de Jesus – “Joshua Tree”: Surgem aos milhares, crescem alguns centímetros por ano e vivem mais de três séculos.

Mais ao norte, o deserto de Mojane é local para o estabelecimento de centro de aproveitamento de energia solar na geração de energia elétrica. Pesquisa pioneira.

Geradores eólicos, como espantalhos gigantes, são protagonistas importantes na paisagem. Fontes alternativas representam mais de 12% na matriz energética dos Estados Unidos.

As estradas são magníficas, mantemos excelente média na velocidade.

Na região muitas fontes termais atraem os turistas. A temperatura, elevada durante o dia, cai bruscamente quando o sol se põe. Precisamos de agasalhos.

Por sinal é preciso ter precauções ao enfrentar as áreas desertas. Muitos esportes radicais, com veículos especiais, motos, são acessíveis aos que saem das estradas principais. Basta querer enfrentar dificuldades e poeira.

Leve bastante água, mais de quatro litros por pessoa, alimentos, roupas e botas especiais. Deixe aviso para alguém. Informe o destino. Atenção com as inundações relâmpagos, não estacione em canyons. Aqui quando chove, em pouco tempo, podemos estar quase afogados no deserto.

Palm Springs, pequena cidade, duzentos quilômetros afastada de Los Angeles é local de repouso, de compras, de piscinas e mesmo de jogo.

Desde 1920, já atraia os milionários e artistas de Hollywood. Aqui famosos se encontravam para festas e atividades sociais.

Elvis Presley escolheu Palm Springs para a sua lua de mel.

Como surpresa, estátua gigante da grande atriz Marlyn Monroe, famosa pelos seus romances com os Kennedy enfeita a praça principal.

Obra de artista renomado foi inaugurada por primeiro em Chicago em 2011. Agora referencia a atriz de “Quanto mais quente melhor” e de “Os homens preferem as loiras” e de “Os desajustados” filme baseado em trabalho do teatrólogo Arthur Miller, seu terceiro esposo.

A carreira da atriz está ligada a Palm Springs. Aqui ela foi descoberta em 1947, no “Raquert Club, por caçador de talentos – Bruno Bernard. Era principiante, participando de shows nos clubes noturnos. As fotos para a sua publicidade, para os books, foram realizadas nas piscinas dos principais hotéis de Palm Springs. Esforçada, estudou danças, canto, teatro e procurou seguir os passos de lendas como Jean Harlow e Lane Turmer.

No seu segundo casamento com o esportista Joe DiMaggio, jogador famoso de beisebol, Palm Springs foi o local escolhido para a tradicional “Honey Moon”.

Mas tarde, já estrela, adquire casa onde costumava passar os fins de semana e parte das suas férias.

A atriz famosa por ter saído dentro do bolo gigante, cantando parabéns para o presidente Kennedy e pela cena junto a grade de ventilação do metrô em filme realizado em Nova York, mesmo depois do falecimento trágico, apesar dos anos, continua com o seu prestígio inalterado. Em todos os locais os seus retratos aparecem, cartazes de propaganda dos seus filmes estão expostos, em destaque.

Palm Spings não esqueceu personagem que iniciou aqui a sua carreira artística. Como ela mesma afirmava.

“Mulheres comportadas raramente fazem história”

“Não me alimento de quases, não me contento com a metade. Nunca serei sua meio amiga, ou seu meio amor; é tudo ou nada.”

Orgulhosa do seu papel como mulher, apreciadora das pérolas nas suas joias, viveu intensamente a sua vida e o papel de atriz em Hollywood. Marcou época e até hoje é bastante lembrada, principalmente por algumas cenas e por outras falas em clássicos de Hollywood. Para muitos, no início, era apenas uma loira burra e ingênua.

“Uma garota sábia, beija, mas não ama, escuta, mas não acredita, parte antes de ser abandonada.”

Sua morte, para muitos ainda é mistério sem solução.

“Nunca gostei do nome Marilyn, mas suponho que agora é tarde para mudar – últimas palavras.”

Patrocínio:

Compartilhe