Jack Kerouac. Rota 66 da Geração Beat

A Rota 66 recorda o escritor que tinha a estrada como o palco para descrever as suas aventuras.

Escritor solitário, nascido na Nova Inglaterra, Massachusetts, de descendência francesa, aliou os valores da Nova França, de Quebec, ao puritanismo dos primeiros colonizadores dos Estados Unidos.

Educado por jesuítas, teve Jack London e E. Hemingway como influência na sua formação literária.

Considerava-se um católico místico e até louco, seduzido pelos desertos que irá desvendar e apresentar nas suas obras.

A Rota 66, ícone das gerações dos anos 50 e 60, será o caminho pelas estradas desertas do Novo México, do Arizona, para além do Rio Grande e para as fronteiras do México.

Época de vida livre, sem correntes ou responsabilidades. A liberdade da novidade, o uso de tóxicos, a meditação alucinada sendo provocada, a busca de novos limites, galvanizou os jovens da época. Até nos desertos do Marrocos sua audácia chegou.

‘Não farão grandes coisas os que se deixarem levar por tendências, novidades e a opinião geral.’

“On the Road” é o seu trabalho mais famoso, obra que levou os americanos, pela Rota 66, à descoberta de novos espaços, de vazios de gente, de vida livre e selvagem.

‘Se a moderação é um defeito, a indiferença é um crime.’

A geração “Beat” tinha um roteiro e um guru incentivando loucuras e propondo desafios.

Hollywood, em filme com Clint Eastwood, imortaliza o escritor. Até hoje, saudosistas em motos modernas, cabelos embranquecidos, imensas barrigas, procuram reencontrar o que não podem mais viver.

Com pouco mais de 47 anos, em 1969, deixa a vida, no meio de uma aventura que não sabia como terminar.

‘Aquilo que sentires encontrará por si mesmo o seu caminho.’

Trabalhos esporádicos, temporários, eram a maneira de sobreviver por alguns dias ou por semanas. Operador em postos de gasolina, apanhador braçal em plantações, não se prendia a nada sério. As passadas daquele rebelde não podiam parar, necessidade de avançar em busca do que desconhecia. Não tinha amarras, não aceitava obrigações – eram prisões para espírito em total colisão com a ordem estabelecida. Rebelde sem comando ou quartel.

Circular pela Rota 66, devagar, apreciando detalhes, os bares, as pousadas, o deserto envolvendo tudo, as retas de estrada escapando para o horizonte, desperta ideias novas, algo que Kerouac buscou até morrer.

Com 3945 km, conectava Chicago, nos Grandes Lagos, até Santa Monica na Califórnia. Estrada pioneira, foi a sede dos primeirosmotéis, dos restaurantes à beira da estrada, do primeiro Mac Donald. Proporcionou uma revolução, ligando a puritana Nova Inglaterra a liberdade daCalifórnia; uma nova revolução iria ocorrer nos Estados Unidos.

‘O meu defeito não são as paixões que tenho, mas a minha falta de controle sobre elas’.

Patrocínios:

Compartilhe