Descubra a Jordânia. Palestra na Sapt de Torres. 9 de janeiro de 2016-20h

Descubra a Jordânia

Descubra a Jordânia.Palestra na SAPT.Dia 9 de janeiro de 2016 as 20 h. SedePraia de Torres

No Médio-Oriente, a Jordânia tem muito para mostrar aos turistas, os preços são adequados ao nosso câmbio atual e é país árabe que ainda oferece segurança, De Roma, pela Alitália, foi a rota escolhida para alcançar Amam, a capital.

Reserve pelo menos uma semana para ter uma ideia desse país de desertos, mas que tem muitos fatos da Bíblia para relatar. A maior parte dos eventos aconteceram na atual Jordânia e não em Israel; Moisés passou boa parte do tempo do lado de cá do rio Jordão. Do alto do Monte Nebo, local onde encontrou água com o seu cajado, ele vislumbrou a Terra Prometida. Sem permissão para alcançar o sonho de um povo, designou Josué para a tomada de Jericó cidade murada que estava no caminho para Jerusalém. Moisés foi enterrado junto Monte Nebo, lugar visitado pelo pelo Papa João Paulo II em 1982. Monumento, com cruz entrelaçada com a cobra de Moisés, marca a visita.

Depois, em Madaba, local de encontro de três religiões, visitaremos o mercado dos mosaicos e encontraremos o mapa mais antigo da Palestina no tempo da ocupação bizantina.

Para o sul, por estrada financiada pelo Iraque durante guerra com o Irã, alcançaremos o Mar Morto, oportunidade para conhecer os hotéis de luxo, piscinas magníficas e calor abrasador, estamos a 380 metros abaixo do nível do mar. Oportunidade para o tradicional banho com a lama negra que deixa nossa pele rejuvenescida; devido a elevada salinidade é fácil boiar, mas cuidado com a água respingada nos olhos, um terror.

Do outro, as terras de Israel são visíveis, não há navegação alguma, a segurança é elevada, não podemos chegar perto das fronteiras.

— Os judeus têm boa pontaria — afirmam os locais.

Depois Petra surge no caminho. O centro comercial na rota dos Nabateus, impressiona pelos desfiladeiros, pelos templos, pelas ruínas romanas. Na região, irmão de Moisés foi enterrado no alto daquela montanha, onde o sol da tarde procura solidão. Filme de Hollywood com Indiana Jones explora bem o cenário.

Depois a reserva de Wadi Rum, com excursões pelo deserto, passeios com dromedários, com pick-ups, está perto do porto livre da Aqaba, única saída da Jordânia para o Mar Vermelho, para o Canal de Suez e para o Mundo.

Aqaba, cidade linda, com praias, balneários e mergulhos mágicos para corais, aqui denominados de Jardins de Alá, recorda o Rei Salomão e a Rainha de Sabá, Preciso reler a Bíblia.

A revolta árabe contra o Império Otomano teve início em Aqaba, O filme Lawrence da Arábia, com Peter O’Toole e Omar Sharif deve ser revisto.

Aqaba sendo porto livre, apresenta oportunidade de boas compras. Especiarias?

No retorno para Amam, pelo caminho, vamos encontrar antigos castelos dos cruzados, agora ruínas mas que garantiram o domínio cristão da região por anos. A capital apresenta vestígios da ocupação romana. Os museus convidam.

Para o norte, em direção à Síria, vamos encontrar refugiados que fogem de guerra civil da ISIS. Um problema sério para país que já abriga milhões de desalojados.

Perto da fronteira com a Síria,bases aéreas são avistadas no horizonte. Não muito longe de Damasco, vamos encontrar Gerasa, antiga cidade greco-romana; preservada dos terremotos, engolida pelas areias do deserto, o que a conservou ao longo de milênios agora é o nosso destino, ainda mais que Palmira, na Síria, foi mutilada por fundamentalistas fanáticos da ISIS. Vamos aproveitar a viagem enquanto há paz na Jordânia, país que vou apresentar aos meus amigos.

Patrocínio:

Compartilhe