Ilha de Jeju. Perdida no Mar Amarelo. Lugar Para Visitar Antes de Morrer. Uma das Minhas Ilhas

Isolada, origem vulcânica, Jeju é uma das ilhas da República da Coreia do Sul. Formação vulcânica, é escura desde a areia das praias, nas formações rochosas, na lava que escorreu ao longo de milênios de relatos.

Atualmente está voltada para o turismo; recebe centenas de voos fretados da China, do Japão, de Taiwan e da própria Coreia. Cassinos são permitidos para atrair os que arriscam o seu dinheiro em busca de fortuna.

Das elevações dos morros, podemos visualizar no mar as crateras de antigos vulcões. Passeios pela costa nos conduzem a cenários de violência, de luta constante do mar e do vento, das ondas contra as rochas teimosas da costa.

População isolada de tudo adquiriu características próprias. A existência dura, as rochas e o solo pedregoso formatou lutadores que venceram muitas dificuldades.

Mulheres mergulham em busca de pérolas. Adquiriram capacidade e resistência invejável. Tem vida pior do que as mulas da ilha – dizem rumores que vento curioso nos traz.

– Vida complicada para as mulheres. Aqui nascer mulher é castigo. As mulas têm melhor sorte – são os ditados dos locais.

Para atrair turistas, museus, exposições de tipos, parques de diversão, surgem por todos os lados. A população da ilha não chega a 300.000 habitantes.

Entre a China e a Península de Coreia, Jeju ocupa posição estratégica. Inverno rigoroso, estações bem marcadas, Jesu apresenta as crateras de antigos vulcões, como referência para os turistas que aqui chegam.

Não apenas cassinos, fontes térmicas, SPAS, Jeju ainda apresenta características de antiga vila, com as mesmas dificuldades de tempos feudais. Há espaço para aventuras.

Patrocínios:

Compartilhe