Macau, uma das ‘Minhas Ilhas’

Desde 1999, Macau faz parte da China Continental como Região Independente, mas possui moeda própria, a pataca;regras e legislação são distintas. O português, como língua oficial, aparece nas leis, nas indicações das ruas, nos documentos oficiais. É único local da China onde o turista brasileiro não se sente perdido. Podemos ler, sem problema ou tradução os nomes das ruas, dos ônibus e de outras indicações.

Muitos séculos passaram desde que o primeiro português aqui chegou. O ano era 1535 e Pedro Alvares o nome do precursor. Mas ele não está nas páginas da história.

Na expansão para a Cathai de Marco Polo, para a distante e enevoada Cipango, Macau será a base, essencial para a expansão colonial portuguesa. Os jesuítas, desde o início, foram responsáveis pela fundação de escolas, de hospitais e da primeira Universidade instalada na Ásia.

A parte antiga da cidade ainda apresenta prédios com as características típicas da arquitetura portuguesa; ruelas estreitas, ondulantes colinas e os típicos prédios coloniais da engenharia portuguesa. Estamos em casa.

Observando os mercados de rua, além das tradicionais quinquilharias feitas para passantes de “bom gosto”, na culinária local fica evidente a influência portuguesa, principalmente nos doces, nas tortas e nos biscoitos. Uma réplica do pastel de Santa Clara é o ponto alto; vendido em quase todas as esquinas por preço bem acessível. – Deliciosos, afirma o nosso guia – Adequado para os intervalos de descanso, para o jogar fora de palavras entre amigos.

—Realmente; surpresa e delícia gostosa – era o que se podia dizer.

Desde a Praça do Senado, até a colina onde encontramos a Igreja de São Paulo, temos possibilidade de acompanhar o mercado típico de Macau.

Na realidade, da igreja tradicional, sobrou apenas o frontispício. Incêndio violento em 1835 destruiu todo o complexo. Mesmo assim, as ruínas recuperadas, com a iluminação de noite, apresentam um dos pontos altos da cidade de Macau.

Vendo os ônibus circularem, entre as indicações em cantonês indecifrável alternam-se indicações na língua de Camões: local da partida, o trajeto, o final da linha. A sensação é estranha.

Depois de subir a escadaria para a Igreja de São Paulo, mais degraus nos levam à Fortaleza do Monte. Baluarte que manteve a flâmula portuguesa com dona do local por séculos.

Pode-se circular a pé pelo centro histórico, passando pela Catedral, pela Cúria e Casa Episcopal, pela Igreja de São Domingos, construída pelos padres espanhóis em 1587.

Interessante acompanhar os restaurantes de comida rápida, fornecendo refeições típicas para os chineses. O condimento agregado dá melhor sabor do que o encontrado na comida tradicional da China Continental.

—Malandro! Como estás? – foi expressão ouvida de relance, quando duas pessoas da comunidade portuguesa se encontraram. Muitos de Angola, de Moçambique por aqui circulam, mesmo de Portugal, pois a atual crise europeia trouxe pessoas em busca de novos horizontes aqui na distante Macau.

Especialidade local é o prensado de carne de porco, cozido, ou mesmo defumado; é vendido em lâminas ao longo do caminho. Um pouco gorduroso, crocante, serve como aperitivo ou mesmo para mitigar a fome que chega com o cair da tarde e o cansaço dos nossos passos.

Nas lojas de consumo elevado, principalmente de cosméticos e artigos femininos para a beleza, adorno e recuperação, dezenas de chineses enchem as suas mochilas e malas.

—É contrabando formiga. Vêm do outro lado do rio em busca de produtos que não existem lá ou apresentam qualidade que os produtos locais não têm – nosso guia explicava algo difícil de entender.

Pelo visto os chineses não querem usar os produtos fabricados para o seu mercado interno.

—Sim! Eles preferem o que a China produz para os mercados externos – as palavras do nosso tradutor explicava uma das razões de lojas estarem repletas.

Nunca vi tantos chineses da minha vida, a maioria fazendo contrabando para a China de produtos que eles fabricam para exportação e que são encontrados em Macau.

—Não confiamos nos produtos feitos para o nosso mercado – uma das várias explicações que ouvi ao longo das curiosas perguntas.

Patrocínio:

Compartilhe

15 respostas para “Macau, uma das ‘Minhas Ilhas’”

  1. Pingback: viagra on sale
  2. Pingback: viagra cialis
  3. Pingback: levitra generic
  4. Pingback: cbd oil for pain
  5. Pingback: plus cbd oil
  6. Pingback: viagra 100mg
  7. Pingback: viagra for women
  8. Pingback: cialis generic
  9. Pingback: tadalafil online
  10. Pingback: best otc ed pills
  11. Pingback: buy viagra

Os comentários estão desativados.